domingo, 26 de agosto de 2012

Mundo colorido!

 
 
Mamãe, cadê o laranja?
Que laranja meu filho?
O laranjaaaaa!
E aí eu tenho que advinhar que ele está se referindo ao carrinho laranja que dorme todas as noites com ele...
Á, é do carrinho laranja que você está falando?
E ele me olha com aquela cara de quem diz: Tããã, não é obvio??
 
Vem comer frutinha meu filho e sento ele na mesa.
Mamãe quero vermelho!
Aí eu pego uma maçã...
Nããão, quero o outro vermelho!
O que você quer meu filho, é a melancia?
É, o vermelho!!!
 
O que você papou na creche hoje?
Preto, marrom, amarelo...
 
E assim passamos os dias, é o caminhão azul, o cachorro branquinho, o iogurte verde (tampa). O mundo do meninim agora não tem sons, cheiros nem texturas, são formados simplesmente por cores, das mais diversas!! Hehehe

sábado, 18 de agosto de 2012

Grude...

O meninim nunca foi de se apegar a um brinquedo. Sempre brincou com todos ou até mesmo sozinho...Mas de um tempo pra cá ele resolveu adotar um carrinho. Dorme e acorda com o danado, dá banho, coloca do seu lado na hora do almoço, só não leva pra creche... Quando saimos para algum lugar ele corre e pega mais um carrinho pra fazer compania e se eu sei que teremos mais crianças é melhor eu levar outros carrinhos pq aqueles dois que ele tem na mão não adianta que não divide com ninguém!





Pai Poeta

Eu e o Mojim estamos juntos há 11 anos e, como já faz bastante tempo que nos conhecemos, sei cada característica, mania, opinião, birra sua, ou melhor, achava que conhecia pois, no dia dos pais pedi  a ele que escrevesse algo sobre paternidade e fui apresentada a um poeta que ainda não havia conhecido...

Então, segue as peripécias do papai poeta:

"Oi Bom Dia. Pensei em escrever e saiu isso:


O que é ser pai pra mim?

Ser pai é
cuidar de alguém,
é ver um pequenino
dar seus passos,
ver dormir,
ficar preocupado,
sonhar acordado,
relembrar brincadeiras
pra dar um abraço.

é pescar um sorriso
ou tirar o catarro,
errar a roupa ou penteado.
sim é, fazer barulho
e desdormir o coitado.

é vigilância eterna
sonolência incerta
perigo acoberta
e preencher o vazio.

é se basear
no há muito lembrado.
que se imaginei não relembrado.
De um pai falecido.
mas muito mais referenciado.

Brincar, arrumar, endireitar
mas se pirraça brotar
um caminho pra ver
o sorriso do filho.

O pai é herói, colega e algoz
a sombra feroz e alegre esquecido.
calado berrante, pastoreiro vidente.
Do espelho que reflete
tal filho que cresce.
Ser pai é amar, sem nada ganhar
só o prazer de ter sido."
                   Alexandre Vieira Carniele

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Escultura com xixi

Hoje o meninim passou o dia todinho amuadinho, encolhido por conta de uma otite que acredito estar doendo bastante.

Num unico momento de brincadeiras o danadinho tirou a cueca e correu para o quarto. Em instantes ele voltou todo feliz, gritando aos quatro ventos: Bolinha mamãe, bolinha!!! Fui lá ver e era um pouquinho de xixi no chão em formato de círculo.

Daqui a pouco ele abaixou, desta vez na área de serviço e novamente voltou gritando: Avião mamãe, avião!!!

Como é que eu vou brigar com ele e falar que não pode fazer xixi no chão, que lugar de xixi é no vazo, blá, blá, blá depois dessa??? rsrsrs